Com a colheita entrando na reta final, a oferta de trigo será reforçada neste mês. Conforme relatório divulgado pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), 900 mil toneladas do cereal serão disponibilizadas no Paraná até o final de novembro. Aliado ao avanço da safra gaúcha, o quadro alivia a situação das indústrias, que estavam dependendo de importações para driblar a escassez no mercado interno.
Até o dia 04 de novembro, 72% da área cultivada no Paraná foi colhida, o equivalente a 704 mil hectares. O avanço ocorreu predominantemente no Norte, Oeste e Centro-Oeste do estado, onde o trabalho das máquinas está praticamente concluído. Estas regiões concentraram as maiores perdas, dizem os técnicos. Pelo menos 170 mil toneladas registraram pH abaixo de 72. Essa condição não satisfaz os moinhos, obrigando o produto a ser destinado à alimentação animal.

O fechamento da colheita também deve gerar reflexo sobre os preços, que seguem próximos de R$ 50 por saca de 60 quilos. “Além da oferta nacional, deverão pressionar o mercado as colheitas argentina e uruguaia, fato que colabora para a aceleração da comercialização, já que os preços estão em níveis satisfatórios”, salienta Hugo Godinho, técnico do Deral.